A obra completa de Cristo na cruz

Homem, cruz.
Tempo de leitura 4 minutos

A obra completa de Cristo na cruz

 

Depois, vendo Jesus que tudo já estava consumado, para se cumprir a Escritura, disse: Tenho sede! Estava ali um vaso cheio de vinagre. Embeberam de vinagre uma esponja e, fixando-a num caniço de hissopo, lha chegaram à boca. Quando, pois, Jesus tomou o vinagre, disse: Está consumado! E, inclinando a cabeça, rendeu o espírito. João 19:28-30 – ARA

 

Imagine que você está construindo uma casa. Você se esforça por meses para colocar cada tijolo no lugar certo, construir as paredes e o telhado, instalar as janelas e portas. Finalmente, depois de tanto trabalho, a casa está pronta. Agora imagine que você olha para a casa e diz: “Tudo está acabado”. Você está dizendo que o trabalho está completo, que a casa foi construída e que você pode descansar. Essas palavras são como as que Jesus disse na cruz quando Ele completou a sua obra redentora.

A Bíblia nos ensina que todos nós pecamos e que a consequência desse pecado é a morte (Rm 3:23; 6:23). O pastor João Calvino diz que “nesta passagem, seu propósito não é simplesmente censurar os homens para que caiam em si, mas, antes, ensinar que todos têm sido pressionados por calamidade contra a qual não se pode lutar, da qual não podem sair, a não ser que sejam retirados pela misericórdia de Deus”[1].

Sendo assim, Deus em sua misericórdia e graça, nos ofereceu uma solução para essa situação desesperadora: Ele enviou Seu Filho para morrer na cruz pelos nossos pecados. Calvino diz que no instante em que Cristo “se revestiu da pessoa de servo, começou a pagar o preço de nossa libertação a fim de nos redimir”[2]. João 19:28-30 é um trecho da Bíblia que nos lembra da obra completa de Cristo na cruz, que nos oferece salvação e vida eterna.

Quando Jesus disse “está consumado” na cruz, Ele estava declarando que sua obra na terra havia sido concluída. Ele havia pago o preço pelos nossos pecados, satisfazendo a justiça de Deus e nos reconciliando com o Pai. Essa palavra “τελέω – teléō” significa “está completo”, “está terminado” bem como “está pago”. A obra redentora de Cristo é completa e nada precisa ser adicionado a ela. Portanto, “tudo o que Cristo sofreu foi o cumprimento daquilo que a mão e o conselho de Deus tinham previamente determinado para acontecer (Atos 2:23; 4:28). Na cruz, pela primeira vez Cristo poderia dizer que tudo estava consumado e que ele tinha feito tudo o que o Pai lhe ordenara fazer (João 17:4; 19:30)” (Bavinck 2021, pp.406,407).

A obra completa de Cristo na cruz é uma verdade fundamental do cristianismo. Ela nos ensina que não há nada que possamos fazer para merecer a salvação ou o perdão de nossos pecados. Somos salvos pela graça de Deus através da fé em Jesus Cristo (Efésios 2:8-9). A obra completa de Cristo na cruz é suficiente para a salvação de todo aquele que n’Ele crê.

Além de pagar o preço pelos nossos pecados, a obra completa de Cristo na cruz também nos oferece vida eterna. Ele disse em João 10:10: “Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância”. A vida que Cristo nos oferece não é apenas uma vida temporária neste mundo, mas uma vida eterna com Ele no céu. Essa é a esperança que temos como cristãos: a vida eterna através da obra completa de Cristo na cruz. E assim, “por intermédio de Cristo nos foi outorgada a salvação, mais ainda que, por sua graça, o Pai nos é agora propício” (Calvino 2022).

A obra completa de Cristo na cruz é a base do cristianismo. Ela nos ensina que somos salvos pela graça de Deus através da fé em Jesus Cristo, e que não há nada que possamos fazer para merecer a salvação. A obra completa de Cristo na cruz é suficiente para a salvação de todo aquele que n’Ele crê. Herman Bavinck diz que “a singularidade do cristianismo consiste no fato de que a ideia da religião, que é plantada como um instinto e o núcleo na natureza humana, alcança seu cumprimento na pessoa de Cristo”[3]. Como cristãos, devemos viver em gratidão pela obra que Cristo realizou na cruz e proclamar essa mensagem de salvação a todos ao nosso redor.

Que lembremos sempre da obra completa de Cristo na cruz e vivamos em gratidão pela salvação que Ele nos oferece. Que compartilhemos essa mensagem de salvação com todos ao nosso redor, para que eles também conheçam a vida eterna que Cristo oferece. Ademais, “por causa da perfeita suficiência do sacrifício de Cristo para todo o mundo, o evangelho da reconciliação deve ser pregado a todas as criaturas, pois a promessa do evangelho é que todo aquele que crer no Cristo crucificado não perecerá, mas terá a vida eterna. Esse evangelho deve ser proclamado e apresentado indistintamente a todas as nações e a todos os povos, a quem Deus, de acordo com sua boa vontade, envia o evangelho, o qual deve ser acompanhado pelo imperativo do arrependimento e fé” (Bavinck 2021, p.439). Que vivamos de acordo com os ensinamentos de Cristo e proclamemos a sua mensagem de amor e redenção em todos os momentos e instantes de nossas vidas.

 


Referências:

[1] CALVINO, João. As Institutas, volume 2; São Paulo: Cultura Cristã, 2022, p.61.
[2] CALVINO, João. As Institutas, volume 2; São Paulo: Cultura Cristã, 2022, p.278.
[3] BAVINCK, Herman. As maravilhas de Deus. São Paulo: Pilgrim Serviços e Aplicações; Rio de Janeiro: Thomas Nelson Brasil, 2021, p.405.

Bibliografia:

Bavinck, Herman. As maravilhas de Deus. 1ª. Tradução: David Brum Soares. São Paulo: Pilgrim Serviços e Aplicações; Rio de Janeiro: Thomas Nelson Brasil, 2021.
Calvino, João. As Institutas. 3ª. Tradução: Waldyr Carvalho Luz. Vol. 2. São Paulo: Cultura Cristã, 2022.
Sagrada, Bíblia. Bíblia Sagrada. 2ª. Tradução: João Ferreira de Almeida. Barueri – SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 2011.